Reels, o Snapchat do YouTube

reel_youtube.gif

Na semana em que o Snapchat lança seu novo design (prévia abaixo), o YouTube Brasil divulga um recurso para criação de vídeos curtos (até 30 segundos). Inicialmente, o Reels será liberado para criadores com mais de 10 mil seguidores.

Ao contrário da “inspiração”, no qual o conteúdo fica disponível por tempo limitado, os vídeos do Reels não precisam ser apagados após serem exibidos por 24 horas. Foi a mesma opção adotada pelo Instagram, que permite republicar conteúdo do Stories no feed principal.



Imagem via blog do YouTube Creators

Anúncios

“Link na bio”

A disputa segue entre Instagram Stories e Snapchat, com ambos lançando novos recursos num curto espaço de tempo. Nesse mês, os dois aplicativos trouxeram novidades. O Instagram entregou recursos incrementais, como responder atualizações no Stories.

Em sua nova versão, o Snapchat elaborou um pacote de novidades maior, que inclui até alterações de voz (acima). Uma das mais relevantes, porém, foi pouco comentada: a possibilidade de inserir links no Snapchat (abaixo).

Em 2017, soa estranho um app divulgar como novidade a possibilidade de criar conexões com outros endereços. Mas a funcionalidade, uma das mais tradicionais do ciberespaço, muitas vezes é um corpo estranho num mundo dominado por aplicativos, cada vez mais voltados para si. O Instagram, por exemplo, até hoje só permite um único link clicável, na biografia do usuário.

Para evitar o surgimento do flâneur digital, as estratégias são muitas. Uma delas é facilitar a criação de conteúdo (como o Instant Articles, do Facebook). E, mesmo quando permitem o acesso a links externos, alguns apps o fazem através de navegadores embutidos. Ou seja, circula-se por vários destinos, mas o visitante nunca abandona o território de origem.