Geração Z

Apps

Após concentrarem seus esforços nos millennials (ou geração Y), os publicitários agora observam a ascensão de outro grupo, a geração Z. Formado por pessoas nascidas entre 1996 e 2010,  essa geração passeia pelo mundo digital desde cedo. Ou seja, não precisaram fazer a transição de um mundo dominado por tecnologias analógicas para o ciberespaço.

A Adweek, em parceria com a Defy Media, mapeou os hábitos de consumo de mídia desse grupo.  Entre as preferências, os  mesmos campeões de audiência. Mas a posição ocupada no ranking revela dados interessantes.

Para quem tem entre 13-20 anos, o YouTube reina absoluto: 95% dos jovens usam o serviço de vídeo do Google. Em seguida, aparece o Instagram (69%). A maior rede social online, o Facebook, empata com o Snapchat, com 67%. O Twitter ocupa a quinta colocação, com 52%. O “esquecido” Google+ (37%) aparece na frente de outros serviços mais badalados, como Pinterest (33%) e Tumblr (29%). 

Imagem via Flickr

Anúncios

Millennials e seus estereótipos

Únicos, livres, pacifistas, ativistas, felizes e dançam o todo tempo. Com base em ideias generalistas, o banco de imagens Dissolve e a agência And/Or criaram um meta-anúncio que brinca com os clichês associados aos millennials.

Centennials, a geração determinada

Millennials/Geração Y? Vocês já são notícia antiga. Ao invés da turma que nasceu na década de 1980 (ou final da década anterior, segundo alguns autores), agora quem aponta tendências são os Centennials, aka geração Z, os indivíduos que completam 18 anos em 2015.

A AdAge fez um bom levantamento sobre o assunto. Por ser uma publicação sobre propaganda, o enfoque do texto recai sobre o aspecto comercial. Como todo filho caçula pode atestar (eu sou um deles), só há coisas positivas a serem ditas a respeito do novo grupo. Para os publicitários, os últimos filhos do século passado são mais práticos, empreendedores e criativos que a turma anterior.

Não há uma única plataforma para alcançá-los. A estratégia é perseguir o que desponta no momento. Utilizar ferramentas incipientes, como o Periscope, é uma das tônicas de divulgação.

Trata-se de uma geração que busca projetar sua marca pessoal, querem que sua personalidade seja percebida. Para isso, tomam riscos, adoram experimentar. Mas com prudência, principalmente em relação ao consumo. Antes de comprar qualquer produto, eles se informam bastante.

A ideia de posse como status perde força: alugar e compartilhar são práticas comuns. Além de ser a geração com mais acesso a conhecimento, pesa o fato de terem crescido observando os mais velhos lidarem com a recente crise econômica mundial.

Algumas dessas características são associadas a jovens desde… sempre. Há quem questione certos padrões, como a inclinação à imprudência, o destemor em relação a riscos. Outro ponto importante é que, por se tratar de uma revista norte-americana, a base das informações mira os jovens do primeiro mundo.

De fato, há qualidades partilhadas com a geração Y, grupo que aglutinou os primeiros nativos digitais. Todavia, é possível perceber uma distinção relevante. Mais importante do que olhar essas generalizações é observar a intensidade da sua manifestação. Os jovens estão ainda mais precoces. Não é raro esbarrar em notícias sobre adolescentes que criaram apps/startups de sucesso, dentre outras iniciativas de grande fôlego.

Até que ponto essa ambição é partilhada por grande parte das pessoas da mesma geração ou se apenas representam a inventividade dos mais capacitados e dedicados- que existem em todos os períodos; os atuais apenas têm acesso a uma variedade maior de opções- é algo a conferir.